PROENÇA-A-VELHA
Evolução Histórica e Administrativa Até 1218 pertenceu a Idanha-a-Velha, a antiga Egitânia. 1218 - Em Abril de 1218 recebe foral de D. Pedro Alvites, mestre da Ordem do Templo, em carta concedida com beneplácito de D. Afonso II e D. Urraca.
31
Dez 09

 


 


 


 

SÃO OS VOTOS

DO BLOG

PROENÇA-A-VELHA

(http://aaladosnamorados.blogs.sapo.pt/)

A todos os seus amigos e leitores


 

FAfonso
 

 

 

 

publicado por AALADOSNAMORADOS às 20:01
sinto-me: esperançado
26
Dez 09

 


História da presente realidade irreal

Era Noite de Natal

... .. E todos iam chegando.

Cada um trazia o seu monte de sacos e dentro de cada saco, todos engalanados com laçarotes e autocolantes alusivos à quadra festiva, vinha uma Balbúrdia de brinquedos, jogos electrónicos, Guloseimas e peças de roupa diversa da alta custura.
Tratava-se de impressionar o diretor da empresa através das prendas a ofertar em especial aos filhos do mesmo.
Aquilo não devia ser uma competição mas, na realidade era o que parecia, quando chegou a altura da abertura dos "presentes".
De soslaio e disfarçadamente todos iam topando o que cada um trazia.
A sala estava quente, a mesa estava recheada de tudo o que qualquer especialista em gastronomia podia imaginar.
O ar era de expectativa e os sorrisos, artificiais na maioria, eram abundantes,.
Lá fora, na rua, a chuva caía a cântaros; Havia um leve nevoeiro que vinha subindo dos lados do rio, mas o frio era de fazer enregelar  tudo o que estivesse em contacto com ele.
Estáva-se em pleno Inverno.
Dentro da luxuosa mansão, os gritos das crianças pela euforia desregrada de tantas ofertas, as quais mais dia menos dia iriam atafulhar os vidrões que estavam no passeio em frente, eram ensurdecedores.
Cá fora, tilintando de frio, sob uma arcada, o sem-abrigo  meditava no muito que tinha tido e no nada que agora tinha.
Realmente o "muito" que a ele se referia não eram nem dinheiro, nem brinquedos nem aquela bagunça de caixas e caixinhas contendo "tralhas" que em grande parte as crianças nem sequer sabia como lidar com elas.
Ele referia-se ao calor humano que naquela Quadra Festiva costumava receber dos seus ente-queridos, antes de se ter transformado no "Farrapo Humano" que agora era.
Aquela tragédia que lhe tinha retirado toda a família tirou-lhe a vontade de viver.
 Pois na realidade também ele tinha sido menino embora, verdade seja dita, que jamais se tinha visto rodeado de um ambiente parecido com aquele que vislumbrava para o interior daquela mansão através das janelas. Mas, que diabo, também tinha tido os seus brinquedos.
Não é que tenham sido muitos, mas lembrava-se bem de um feito de madeira que os pais lhe haviam comprado na feira e que tinha a encimá-lo, um palhacito.
Era engraçado, pois o mesmo tinha uma roda  que ao girar  produzia uma música harmoniosa e obrigava o palhacito, preso por uns aramitos, a dar umas cambalhotas muito giras.
Era realmente uma beleza aquele brinqudo de madeira.
E tinha muitas saudades dele, sempre que a enxurrada de recordações lhe inundava a alma.
Lembrava-se do desgosto que tinha tido quando, passado algum tempo, o palhacito  se partiu e de tal forma que o pai não o conseguiu concertar, por muito que o tenha tentado.
Era muito engraçado e fez  inveja a muitos miúdos lá do bairro, os quais a troco de um rebuçado lhe pediam para dar uma voltinha com o mesmo.
Era engraçado porque o brinquedo com o seu palhacito, fez dele durante muito tempo, o miudo mais invejado do bairro.
De repente, como se tivesse estado a sonhar, acordou com uma agonia enorme e a saudade daqueles tempos e daquelas gentes inundou-lhe o espírito e amargurou-lhe a alma de tal forma que se esqueceu do frio e, olhando o céu, exclamou:
Oh Deus, tu que me vês e me ouves, Livra-me desta agonia!
Ajuda-me!
Ao longe, com voz sumida e triste, balbuciando  "um vulto de criança" tentava fazer-se ouvir, gesticulando para dentro da mansão.

 
E eu?
Toda a gente se esqueceu?

Ninguém se lembra de mim?
Foi para isto que eu vim?

Eu também sou menino!
Sou o que nasceu em Belém!
Não vos fiz nada de mal !
Sou a razão do vosso Natal!

Sou Aquele a quem chamais Jesus!
Que Maria numa gruta deu à luz.
E por que vós morreu numa cruz

Lembram-se? -Eu existo!
Não se lembram, está mais que visto
Mas eu vos digo,
O meu nome é Jesus Cristo


FAfonso

 

publicado por AALADOSNAMORADOS às 22:20
sinto-me: BEM
tags:
20
Dez 09

 O NASCIMENTO DE JESUS

 

1. Mas tu, Belém de Éfrata, pequenina entre as aldeias de Judá, de ti é que sairá para mim aquele que há de ser o governante de Israel. Sua origem é antiga, de épocas remotas.

 

 http://aaladosnamorados.blogs.sapo.pt/

 

E O BLOG

PROENÇA-A-VELHA

DESEJA A TODOS OS SEUS LEITORES E AMIGOS,

UM FELIZ NATAL

E UM PRÓSPERO ANO NOVO

 

FAfonso

publicado por AALADOSNAMORADOS às 13:19
18
Dez 09

 



 

TEMPO DE NATAL (tempos passados)

Viver a saudade dos que partiram, mas que continuam vivos nos nossos corações.


 

SIM?

NÃO?

Talvez?

E as saudades?


 

Onde está o Presépio que com figuras de papel e musgo verdadeiro se fazia?


 

Onde estão as filhós que vós nos fazíeis com tanto amor e ternura?


 

Mãe, Pai e Filho querido, estais tão longe de nós eo Natal aproxima-se e está tão perto.


 

Onde está a taleiga com a farinha que o moleiro, depois de moído o trigo vos trazia do Moinho?

Onde está a lareira onde o pai fazia uma fogueira na Noite de Natal?

E aquela caldeira   onde se fritavam  as filhós?

E o fumo que no início enchia a cozinha?

E aquela forcalhazinha que ele fazia, com tanto esmero, em regra ou de ramo de esteva ou de galhinho de Oliveira, que tanto gostava de fazer para virar as Filhós ?

 

Onde está o pano branco de linho com que se forrava o cesto de verga  e onde com carinho, alinhadas umas sobre as outras, o pai colocava as filhós?

Onde está a tigela com o açúcar misturado com canela com o qual eu e a mana, polvilhávamos abundantemente as filhós?

E aquelas surtidas, às escondidas, para irmos surripiar Filhós ao cesto?

E aquela desilusão, quando o cesto das filhós, que ficava cheio à noite e pela manhã estava pouco mais de meio? (eram colocadas quentes e inchadas e quando arrefeciam, baixavam de volume)


 

E aquela voltinha que, depois da Missa do Galo, toda a família dava para se juntar em casa da Madrinha  Cacilda e do Padrinho Chico, para comermos uma Filhó e beber um cálice de jeropiga ou de vinho do porto?

E as saudades? - Que ao contrário das Filhós nunca deixam crescer?

Onde estão esses Natais?


 

Onde está o amor puro que unia e animava as familias?

E que naquela quadra fazia esquecer todas as agruras e dificuldades vividas?

Onde estão essas famílias?

Pai Mãe e Filhos?

ONDE ESTÃO?

E VÓS, ONDE ESTAIS?

Nós sabemos;

ESTAIS COM DEUS


 

FAfonso



 


 

 

  

publicado por AALADOSNAMORADOS às 17:00
sinto-me: Com saudades
15
Dez 09

 

 


 

Um Estado de Alma


 

         Muitas pessoas discordarão de alguns dos meus “escritos” que posto no meu

blog.

Acho que têm o direito de discordar como eu tenho de escrever o que me vai na alma.


 

          É verdade que em regra é mais agradável ler coisas alegres, mesmo que não sejam reais, do que coisas tristes embora verdadeiras.

          Também é verdade que se alinharmos em coisas, ditos ou ideais que, embora não sejam nem moral nem politicamente correctos, arranjamos logo um monte de simpatizantes, a maioria dos quais apoiam porque “está na onda”, pois nem sequer se dão ao trabalho de meditarem um pouco naquilo que dizem ou apoiam.

          O que é pena.

Pois poderão, sem ser essa a intenção, estar a fazer muito mal a princípios que dizem defender

 

          Contudo, eu continuarei debitar aqui as alegrias e as tristezas que no meu coração se produzem e no meu íntimo se radicam.

 

          É por isso que hoje descrevo algo que embora triste, é real.


 

          Há cerca de dois meses fui convidado para testemunhar o baptizado na Igreja da Parede da filha de um familiar meu, o que me deu grande prazer por ver que este casal de pais, ambos jornalistas, não descuram as suas “obrigações” de católicos e as vão incutindo no espírito dos seus filhos. Este é aliás, o segundo filho que têm e o segundo que vão baptizar.

          Como todos sabemos, em especial quem vive com o coração estes preparativos, estas ocasiões são em regra motivo de júbilo e muita alegria.

          Com estes meus familiares e acima de tudo amigos, sucedia exactamente o mesmo.

          Porém, lá diz o ditado “não há rosas sem espinhos”,e mais uma vez o ditado acertou.

          A irmã do pai da bebé que vai receber o Sacramento do Baptismo há algum tempo foi-lhe diagnosticado um problema de saúde bastante grave.

          Até aqui nada de anormal para os tempos que correm.

          Só que o estado de saúde piorou e tal forma que levou a internamento urgentíssimo e a doente corre mesmo grande perigo de vida, com poucas esperanças de sobrevivência.

          É que a doença que entretanto se manifestou é daquelas que quase em regra não perdoa.

          E assim, aquilo que se pretendia uma Celebração de Festa e Amizade, está a transformar-se num dia de imensa tristeza para todos os convidados, os quais, se não são familiares, são grandes amigos.

Na verdade não há momentos bons para o aparecimento das doenças e por isso temos de nos curvar quando elas aparecem e, se mais não pudermos, dar pelo menos força moral a quem é atingido por esta calamidade é o mínimo que podemos fazer.

          Foi isso que tentamos fazer na medida do possível.

          Sabemos que é pouco, mas, costuma dizer-se que quem dá o que tem, dá tudo.

          Pedimos ao Senhor do Alto e aos homens da ciência que em tudo o que puderem ajudem a debelar esta doença que lhe quer arrebatar a vida.


 

FAfonso


 

publicado por AALADOSNAMORADOS às 18:45
sinto-me: TRISTE
13
Dez 09

E PARA QUE NÃO TE ESQUEÇAS

 

É O DIA DO SENHOR

TEU DEUS

 

GUARDA-O

 

 

NAQUELE TEMPO..........

 

 

FAfonso

publicado por AALADOSNAMORADOS às 00:12
sinto-me: bem, Domingo, SENHOR,naquele,
08
Dez 09

 

 

 

Ao meu Querido Pai

 


Com saudades  


 

Quando tu partiste, depois de tanto sofrer

Ficou em mim a saudade e uma grande dor

Eu estava longe e não te pude vir ver

Mas por ti perdurará sempre um grande amor


 

Tu eras simples e bondoso

Tudo o que eu queria ser

Eras amigo e carinhoso

Mas tu partiste e a mim só me restou sofrer

 

 

 

 

(Recordando)

 


 

QUANDO TU CHEGAVAS .....

 

era um alívio e uma alegria indescritível.


 

Em homenagem ao meu saudoso e querido Pai

 

  

 

 

 Memórias que o tempo não apaga

Hoje tudo é diferente.
 Esta convivência gerava amor e dava valor

quem amávamos.

Será que ainda hoje é assim?


 

 

 

(Quando a idade não contava ......................)


 

Tinha eu seis anos incompletos e a minha irmã oito.

A minha saudosa mãe, devido a doença adquirida aquando do meu nascimento, passava uma semana em casa, para fazer as lides domésticas e duas no hospital da Idanha, internada, para tentar uma cura que tardava. Isto passou-se durante anos.

O Meu amigo e falecido pai trabalhava na altura na estrada que liga Proença e Medelim e, embora no Verão os dias sejam muito maiores que as noites, ele na verdade chegava sempre de noite.

Porquê?

Porque se aproveitavam as horas para fazer "extraordinárias" e assim obter mais algum dinheiro ao fim da semana.

A minha irmã, menina como era passava a maior parte do tempo em casa da minha madrinha Cacilda, que na altura morava na Rua do Castelo e  dela cuidavam como se de uma filha se tratasse.

 

Nesse ano de mil novecentos e quarenta e sete, o meu pai além de ter uma horta numa zona denominada "os pinheiros do Inácio Rocha", tinha também, de "meias "uma bastante maior que a nossa, pertencente à" Tia Isabel dos Anjos ", senhora viuva de que éramos muito amigos e que morava junto à "Praça" numa casa que ainda hoje lá está com o mesmo aspecto que tinha na altura.

Embora na nossa também houvesse alguns frutos,a  verdade é que nesta, por ser maior e muito mais antiga, tinha na realidade muitos e diversos frutos. Lembro-me de maçãs, "malapos" ameixas, abrunhos, peras, diversos tipos de figos e uvas de diversas castas.

Recordo em especial as uvas moscatel. Uma delícia que eram.

Quem tinha o encargo de a guardar (?) durante todo o dia e regar, eu era.

De vez em quando recebia a visita da minha irmã a qual, além de me dar companhia e ajuda nas lides da horta, era também a minha parceira de brincadeiras.

Uma das coisas que normalmente fazíamos era apanhar amoras das silvas e, calculem fazer vinho tinto.

Claro que depois de tanto trabalho e de tantas picadelas das silvas, acabávamos por deitar aquela "mistela" fora, pois que de vinho tinto só tinha a cor.

Quando chegava a tardinha tinha de regar a horta, para o que tirava água de um poço com um engenho a que se chamava "burra".

Esta "burra" era composta por forcalha, cambão  e varal, no qual  era pendurado um balde com que se retirava a água do poço que depois deitava no  regador para então fazer a rega.

Entretanto como a noite ia chegando e eu, como tinha medo das cobras, (que diabo, nem tinha seis anos!) trepava uma pequena sobreira que havia em frente da entrada e da referida horta e, não fosse adormecer, amarrava-me com uma corda a uma pernada da sobreira e ali aguardava a desejosa chegada do meu pai.

É evidente que eu não conseguia fazer tudo bem, e era o meu pai que, quando chegava da estrada onde trabalhava, fazia a parte mais pesada dos trabalhos da rega e não só.

Em seguida ele mesmo tratava de preparar a ceia (agora é jantar) e, após esta, íamos os dois, dar uma volta pela horta, ao mesmo tempo que  ele ia cortando alguns cachos de uva para ambos comermos.

Tínhamos também uma "passadeira", onde se colocavam os figos para secarem e, sob a mesma, o meu pai fazia uma cama onde os dois dormíamos. Em regra eu adormecia ouvindo histórias que ele me contava.

E era assim e ali que se passavam parte dos  meses de verão. Eram as férias(?).

Tempos difíceis, mas o amor que unia as famílias, era na verdade um exemplo que eu não esqueço e que para sempre guardarei no meu ciração.

 


(Quanta saudade meu Deus!).


 


 

FAfonso


 


 

publicado por AALADOSNAMORADOS às 11:36
sinto-me: Calmo e cheio de saudades
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
16
17
19
21
22
23
24
25
27
28
29
30
Posts mais comentados
11 comentários
10 comentários
8 comentários
6 comentários
5 comentários
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Daniel Carvalho,fiquei feliz por encontrat o filho...
Caro Daniel, estou a escrever um texto sobre as OP...
Gostei muito do seu blog obrigado
Daniel, não sei como chegar a ti, sou o Avelino F...
Meu amigo, tenho esperado que venhas aqui dar noti...
Olá amiga SãoMuito obrigado pelas suas palavras de...
Força meu Amigo! Que Deus esteja contigo e te ajud...
Amigo Adolfo muito obrigado pelas suas palavras de...
Amigo Francisco Afonso só hoje tomei conhecimento ...
:-) Fico tão contente por ti! :-) Ainda bem que es...
mais sobre mim
blogs SAPO